Terça-feira, 12 de Julho de 2011

A medo.....

É a medo que escrevo...

A medo penso

A medo sofro e assim fico e calo....

A medo me substituo..

A medo ...me convenço...

A medo amo

A medo me pertenço...

A medo sossego..

Nos intervalos de piores medos....

A medo resvalo..

O corpo inquiento e tenso..

A medo durmo a medo acordo..

A medo invento

A medo passo a medo fico...

A medo guardo confissões , segredos..

Duvida , fé. A medo.

A medo tudo no meu Universo!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por ligeirinha às 16:33
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De poetaporkedeusker a 15 de Julho de 2011 às 12:06
Já cá estou, minha Ligeirinha!
Os teus poemas fazem-me, sempre, abdicar de uma das regras que considero essenciais na leitura e apreciação da poesia; é inevitável senti-los como um apelo imediato, a pedir resposta... talvez esta seja uma das componentes que a blogosfera veio acrescentar à poesia... o seu carácter de urgência, o imediato. Não é fácil, minha querida amiga, viver todos esses medos... nem sequer consigo imaginar-me a passar por eles mas deve ser mesmo uma tarefa difícil, penosa...
Cada um de nós é um mundo e um mundo muito complexo. No meu o medo só surgiu perante estímulos imediatos, fortíssimos e sempre induzidos por ameaça bem real à vida de terceiros. Depois aprendi. Tive de aprender porque uma vida de medos, para mim, seria perfeitamente insustentável se se eternizasse. Queres escrever-me?
Vou tentar estar atenta à caixa do sapo!
Um abraço muito, muito grande!
De ligeirinha a 15 de Julho de 2011 às 15:31


Com muitos medos vou caminhando sim....

A custo, também.....

Será assim a vida...toma lá dá cá?

Desisto.....
De poetaporkedeusker a 15 de Julho de 2011 às 15:51
Calma, Ligeirinha... este "desistir" assusta-me sempre! Mas podemos desistir temporariamente, enquanto descansamos e refazemos forças... nem que seja uma "desistência" de uma ou duas horas... depois continua, mas tem sempre em conta os teus limites... nós temos limites! Têmo-los e só em situações muitíssimo excepcionais deveremos forçar-nos a excedê-los... ninguém consegue viver anos a fio a exceder os seus limites, Ligeirinha...
Um abraço muito grande... ENORME!
De ligeirinha a 15 de Julho de 2011 às 16:41
De poetaporkedeusker a 15 de Julho de 2011 às 16:52
! Vou-te convidar - se tiveres paciência, claro... - a votar num poema que enviei para um Prémio do Face!
Aqui fica o link e, se gostares... :) podes votar uma vez por dia...

http://www.conteconnosco.com/trabalho-detalhe.php?id=915

Um beijo GRANDE!
De poetazarolho a 15 de Julho de 2011 às 00:31
“Vomito da humanidade”

O miradouro da humanidade
Nascerá em breve, é preciso
Para mirar tanta desigualdade
Não sei se miro, estou indeciso

Já me decidi, não irei mirar
Prefiro a mais pura ignorância
Prefiro nem sequer me ralar
Prefiro o lado da abundância

Mas para quem quiser lá subir
É no mosteiro da Serra do Pilar
Poderão a humanidade avistar

E se calhar até conseguirão ouvir
Uns humanos com fome a gritar
Outros de barriga cheia a vomitar.

Comentar post

.mais sobre mim

.Março 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Tanto tempo.....

. Morre-se em Agosto.... - ...

. No tempo em que tardam a...

. Desembaraçou-se de mim......

. Quando finalmente ficar s...

. Morre-se em Agosto....

. Amanhã....

. Sentimento estranho este....

. Este trilho meu....

. Cansei de mim....

. As idades que nunca tive....

. As palavras mendigadas .....

. Neste tempo da vida.....

. A aventura de sermos nós....

. Perguntei ás folhas....

. Gosto do azul intenso....

. Hoje é dia de lua cheia.....

. Esta procura constante......

. Foi ágil o pássaro....

. Subtilmente.....

. Bocadinhos de mim....

. Esta estranha sensação d...

. Papoilas

. Este turbilhão dentro de ...

. Mão cheia de nadas......

. Espaço raso de agua

. Quem me dera ver azul....

. Ventos de Africa...

. O cheiro da Primavera....

. Amiúde me enterneço.....

. Só gosto da luz do mar......

. Passou-se outro ano....

. Estou só.....

. Dia irreal de Outono....

. Tão inuteis as palavras!!...

. A memória não mente....

. A medo.....

. Portinho

. A arvore da minha paixão!...

. Desfile do Primeiro de Ma...

. Outra casa em Lima

. Numa rua em Lima colonial

. Tralha peruana!

. Cusco-Perú

. Lima!!!

. Cherries Blossom!

. A morte por um fio...ou a...

. Centro Pompidou-Março 201...

. No dia de anos-Jardim do ...

. Paris-70 anos!

.1 Agosto 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. Quando finalmente ficar s...

. Tão inuteis as palavras!!...

. Esta procura constante......

. O Cipreste

. Neste tempo da vida.....

. A aventura de sermos nós....

. Gosto do azul intenso....

. Esta estranha sensação d...

. Estou só.....

. Perco-me por ti minha mãe...

.links

.1 Agosto 2008

blogs SAPO